terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Não às cópias: Fakes are Never in Fashion

Artigo publicado por Chiara Gadaleta em seu blog

Todos os anos, a revista Harper's Bazaar publica uma análise completa e um alerta contra a indústria da cópia e procura mostrar através de números assustadores a importância em comprar apenas produtos verdadeiros.

Essa iniciativa tem como missão educar os consumidores e informar a população sobre os efeitos da indústria do fake.

Anualmente, 600 bilhões de dólares são movimentados pela indústria de cópias e 750 mil empregos são perdidos pelo mercado em função dos trabalhadores ilegais e do trabalho infantil. Além disso, todo esse dinheiro ajuda a manter organizações terroristas e o tráfico de drogas.

Segundo a editora Valérie Salembier, que investiga a indústria de cópias há cinco anos, as marcas de perfumes também são muito atacadas. "Além do dinheiro ser destinado para as drogas e crimes, essas fragrâncias falsas possuem substâncias tóxicas em sua composição e podem causar sérios danos a pele", alerta Valérie.

A Campanha "Fakes are Never in Fashion", "Cópias nunca estão na Moda" foi criada há quatro anos a tem mostrado com sucesso para seus leitores, consumidores em potencial, que por trás desses produtos tão mais baratos encontram-se histórias tristes, violência e tráfico.


Proteja-se contra cópias

1. Localização: Ponto de Venda
Procure sempre adquirir produtos e bens de luxo em uma das butiques das marcas, site ou revendedor autorizado. Essa é a melhor maneira para garantir que está comprando um produto genuíno. Já, peças compradas em brechós, festas em casa, vendedores de rua, ou sites não autorizados podem ser falsos e a compra necessita de alguns cuidados;

2. O Preço Certo
Sabe aquela história quando a esmola é demais até o santo desconfia? Pois é, duvide de preços muito baratos, pois a qualidade e o know how de uma marca tem seu preço que é justo.

3. Pequenos Detalhes
A característica do feito à mão e do artesanal é um ponto principal na distinção dos bens de luxo. Por isso verifique pequenos detalhes e acabamentos como costuras internas, bolsos, zíperes e fechos. Esses acabamentos entregam facilmente os produtos falsificados.

4. Embalagens
Os varejistas de luxo tem uma grande preocupação com a "marca" por isso são muito caprichosos nas embalagens. Se o produto que você vai adquirir não lhe parecer meticulosamente empacotado e bem cuidado, desconfie.

5. A ortografia
Falsificadores muitas vezes erram na escrita ou na tipografia do logo. Preste atenção em letras trocadas e cores diferentes.

6. O logotipo
Os produtos verdadeiros sempre possuem seus logos em todas as peças de metal, tais como zíperes, fechos e fivelas. Caso não haja, pode ter certeza que não é verdadeiro.

7. Leia sempre a etiqueta
Verifique as etiquetas das peças, nos produtos falsificados eles são sempre de material inferior e com detalhes mal feitos.

Nota do Nosso Blog: No site Videdressing você encontrará produtos verdadeiros por preços baixos por serem de segunda mão. Mesmo assim, se ao receber o produto houver qualquer dúvida, está previsto a devolução do dinheiro ao comprador e o cancelamento da conta do vendedor no site.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Como Deixar seu Guarda-roupa Verde


Ilustração: Nicole Dextras assina uma série de esculturas vivas feitas com plantas, que se pode ver em seu Site. Acima, a Condessa Camélia

Essas são as dicas de uma blogueira engajada na causa verde, Fernanda Vasconcelos Torres, que, como nós todas, adora Moda. São dicas preciosas para você fazer sua parte para que a Moda dê o bom exemplo em termos de Sustentabilidade. Atitudes simples que demonstram cuidado com o que temos de mais precioso. Nosso Mundo.Vamos às dicas:

1. Planeje antes de comprar

Abandone as compras por impulso. Pode ser uma maneira de pensar também em você,
analisando bem se aquela roupa ou acessório servem para você ou é só uma vontade passageira. Caso contrário, além de gastar dinheiro, você perderá espaço no armário.

2. Ame suas roupas

Cuide-as com carinho. Evite usar roupas de festa, trabalho ou qualquer outra peça que pretende usar para sair. ‘Acidentes’ domésticos provocam pequenos desastres como manchas ou tecidos queimados. Se cair um botão ou tiver que ajustar um pouco, procure uma costureira e veja se há como reparar. Para os mais empolgados, é uma boa hora para aprender a lidar com linhas e agulhas.

3. Evite lavagem a seco

Máquinas de lavagem a seco usam tetrachloroethylene, uma substância cancerígena. Procure lavanderias que trabalhem com “wet cleaning” ou CO2 líquido.  Muitas peças que antes eram lavadas a seco já podem ser lavadas a mão, especialmente as de seda, lã e linho. Fique de olho nas etiquetas. Se você prefere recortar, cole em um pequeno caderno ou guarde em uma caixinha para conferir as orientações quando precisar.

4. Compre peças antigas ou usadas

Use a criatividade e tenha um estilo próprio. Busque em bazares, feirinhas, brechós, clothing swaps entre amigas. Vale tudo. Se tiver roupas ‘herdadas’ que possam ser interessantes, aposte. Acessórios antigos sempre fazem a festa. Tenha cuidado para ver se tudo está ok. Peças antigas ou usadas podem estar danificada pelo tempo ou pelo uso. Dependendo, uma reforma resolve. Ainda sobre espaço para uma boa customizada.

5. Lave bem

Tenha cuidado para não disperdiçar energia. Junte bastante roupa antes de lavar, para economizar na água, luz e sabão. Procure usar a temperatura mais baixa possível. Opte por alternativas naturais na remoção de manchas nos tecidos e produtos que sejam livre de fosfato e biodegradáveis. Se estiver procurando por uma lavadora nova, verifique se possui selo de economia energética (Energy Star label, nos EUA, e, no Brasil, do Inmetro). A mesma dica vale para os ferros elétricos.

6. Vista orgânicos

Os tecidos orgânicos chegaram para ficar. Desde o algodão até a seda, certifique-se de que possui selo de autenticação (que identifica se a produção realmente é feita sem agrotóxicos). Informe-se sobre os métodos de tingimento e a origem das matérias-primas. A escolha pelos orgânicos é benéfica não só para o consumidor como para o meio-ambiente, evitando uma produção gigantesca de resíduos altamente nocivos.

7.  Encontre uma nova utilidade

Reciclar não é somente reaproveitar. Seja criativo, inspire-se no mundo a sua volta e aproveite o que já existe para reinventar. A proposta está sendo cada vez mais abraçada por estilistas internacionais – chegando a ser desafio até mesmo para o pessoal do Project Runaway. Observe aquelas roupas e acessórios antigos e descubra potenciais fashion adormecidos. Caso não agrade a idéia, reúna o que não precisa mais e leve a entidades carentes. Se nós não encontramos novidade, outros encontrarão.

8. Investigue as origens

Nesse boom de novos tecidos, desconfie do mote ecológico. Como tudo na vida, o que aparentemente poderia ser a solução, pode ser um problema. Fibras de bamboo são fontes fantasticamente renováveis – mas tornam-se um perigo se suas plantações tomarem espaço de florestas. A mesma coisa acontece com a soja e o milho, além de outros tecidos mais elaborados como o Tencel (de origem vegetal). Mantenha-se informado e faça escolhas conscientes.

9. Escolha roupas éticas

Muitas empresas, além de cuidarem da natureza, investem em sustentabilidade e responsabilidade social. Valorize e incentive esse tipo de ação. Procure saber onde ficam as fábricas das empresas que você compra. Muitas multinacionais utilizam abordagens de mercado que incluem maximizar o lucro e deixar de lado preocupações humanitárias, como a luta pelo fim da exploração de mão-de-obra infantil e escravidão (problemas comuns em países latinos, asiáticos e africanos).

10. Não desperdice

Não é porque aquele vestido não está na próxima tendência que ele merece ir pro lixo. Se for algo que de-jeito-nenhum-você-usará-novamente, venda, troque, doe. Há muita gente no mundo precisando de ajuda. Fique informado sobre ONGs e entidades que prestam auxílio a pessoas necessitadas. Colabore com movimentos de apoio a vítimas de catástrofes climáticas (como enchentes e tempestades). É uma maneira de amenizar as conseqüências do aquecimento global e motivar uma mudança. 

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Uma ótima idéia francesa, em breve no Brasil


Site de venda e compra de roupas e acessórios de moda de segunda-mão, entre particulares, o VideDressing nasceu na França em 2010. No final do mesmo ano, o empresário francês radicado no Brasil, Jérôme Guinet negociou a licença do site para o Brasil. O site está programado para ser lançado no Brasil em 2011.
A palavra videdressing foi criada na França em 2008 para significar a pratica de livrar-se de roupas e acessórios que não se deseja mais usar. Vider é o verbo em francês que significa esvaziar e dressing é o nosso closet. Em francês como em português não há uma palavra nativa para aquela saleta onde se guarda as roupas, sapatos e acessórios de moda. Em ambos os países adotou-se palavras inglesas para nomear esse local, na França "dressing" e no Brasil "closet". Na França como no Brasil, e graças a internet, as mulheres estão se desfazendo de suas coisas através de blogs de fashionistas ou pelo eBay ou pelo Mercado Livre. Foi com a criação do Videdressing.com na França que o mercado de segunda mão passou a contar com um espaço comunitário de venda e compra de roupas e acessórios de grifes. O site oferece ambiente amistoso e seguro, meios de pagamento digital, atendimento ao cliente e satisfação garantida tanto para quem compra quanto para quem vende. Além disso, o site oferece um programa de afiliação muito interessante para sites e blogueiras de moda.
"Na França o site é sucesso! No Brasil vai ser também, porque nós vamos fazer dele o melhor lugar para você renovar seu closet (dressing) e ainda ganhar dinheiro com isso", afirma Jérôme Guinet presidente Videdressing Brasil. Aguarde!